MARCELO, MARMELO, MARTELO.

Fonte da imagem:http://www.publicdomainpictures.net/

Marcelo vivia fazendo perguntas a todo mundo:
- Papai, por que é que a chuva?
-Mamãe, por que é que o mar não derrama?
- Vovó, por que é que o cachorro tem quatro pernas?
As pessoas grandes às vezes respondiam. Às vezes, não sabiam como responder.
-Ah, Marcelo, sei lá...
Uma vez, Marcelo cismou com o nome das coisas:
- Mamãe, por que é que eu me chamo Marcelo?
- Ora, Marcelo foi o nome que eu e seu pai escolhemos.
- E por que é que não escolheram martelo?
-Ah, meu filho, martelo não é nome de gente! É nome de ferramenta...
- Por que é que não escolheram marmelo?
- Porque marmelo é nome de fruta, menino!
- E a fruta não podia chamar Marcelo, e eu chamar marmelo?
No dia seguinte, lá vinha ele outra vez:
- Papai, por que é que mesa chama mesa?
- Ah, Marcelo, vem do latim.
- Puxa, papai, do latim? E latim é língua de cachorro?
- Não, Marcelo, latim é uma língua muito antiga.
- E por que é que esse tal de latim não botou na mesa nome de cadeira, na cadeira nome de parede, e na parede nome de bacalhau?
-Ai, meu Deus, este menino me deixa louco!
Daí a alguns dias, Marcelo estava jogando futebol com o pai:
-Sabe, papai, eu acho que o tal de latim botou nome errado nas coisas. Por exemplo, por que é que bola chama bola?
- Não sei Marcelo, acho que bola lembra uma coisa redonda, não lembra?
-Lembra, sim, mas... e bolo?
- Bolo também é redondo, não é?
- Ah, essa não! Mamãe vive fazendo bolo quadrado...
O pai de Marcelo ficou atrapalhado.
E Marcelo continuou pensando:
“Pois é, está tudo errado! Bola é bola, porque é redonda. Mas bolo nem sempre é redondo. E por que será que a bola não é a mulher do bolo? E bule? E belo? E Bala? Eu acho que as coisas deviam ter o nome mais apropriado. Cadeira, por exemplo. Devia chamar sentador, não cadeira, que não quer dizer nada. E travesseiro? Devia chamar cabeceiro, lógico! Também, agora, eu só vou falar assim”.
Logo de manhã, Marcelo começou a falar sua nova língua:
- Mamãe, quer me passar o mexedor?
- Mexedor? Que é isso?
- Mexedorzinho, de mexer café.
- Ah, colherinha, você quer dizer.
- Papai, me dá o suco de vaca?
- Que é isso menino?
- Suco de vaca, ora! Que está no suco-da-vaqueira.
- Isso é leite, Marcelo. Quem é que entende este menino?
O pai de Marcelo resolveu conversar com ele:
- Marcelo, todas as coisas têm um nome. E todo mundo tem que chamar pelo mesmo nome porque, senão, ninguém se entende...
- Não acho papai. Por que é que eu não posso inventar o nome das coisas?
- Deixe de bobagens, menino! Que coisa mais feia!
- Esta vendo como você entendeu, papai? Como é que você sabe que eu disse um nome feio?
O pai de Marcelo suspirou:
- Vá brincar filho, tenho muito que fazer...
Mas Marcelo continuava não entendendo a história dos nomes. E resolveu continuar a falar, à sua moda. Chegava em casa e dizia:
- Bom solário pra todos...
O pai e a mãe de Marcelo se olhavam e não diziam nada. E Marcelo continuava inventando:
Sabem o que eu vi na rua? Um puxadeiro puxando uma carregadeira. Depois, o puxadeiro fugiu e o possuidor ficou danado.
A mãe de Marcelo já estava ficando preocupada. Conversou com o pai:
- Sabe, João, eu estou muito preocupada com o Marcelo, com essa mania de inventar nomes para as coisas... Já pensou, quando começarem as aulas? Esse menino vai dar trabalho...
- Que nada, Laura! Isso é uma fase que passa. Coisa de criança...
Mas estava custando a passar...
Quando vinham visitas, era um caso sério. Marcelo só cumprimentava dizendo:
- Bom solário, bom lunário... – que era como ele chamava o dia e a noite.
E os pais de Marcelo morriam de vergonha das visitas.
Até que um dia...
O cachorro do Marcelo, o Godofredo, tinha uma linda casinha de madeira que seu João tinha feito para ele. E Marcelo só chamava a casinha de moradeira, e o cachorro de Latildo.
E aconteceu que a casa do Godofredo pegou fogo. Alguém jogou uma ponta de cigarro pela grade, e foi aquele desastre!
Marcelo entrou em casa correndo.
- Papai, papai, embrasou a moradeira do Latildo!
O quê, menino? Não estou entendendo nada!
- A moradeira, papai, embrasou...
- Eu não sei o que é isso, Marcelo. Fala, direito!
- Embrasou tudo, papai, está uma branqueira danada!
Seu João percebia a aflição do filho, mas não entendia nada...
Quando seu João chegou a entender do que Marcelo estava falando, já era tarde.
A casinha estava toda queimada. Era um montão de brasas.
O Godofredo gania baixinho...
E Marcelo, desapontadíssimo, disse para o pai:
- Gente grande não entende nada, mesmo!
Então a mãe do Marcelo olhou para o pai do Marcelo.
E o pai do Marcelo olhou para mãe do Marcelo.
E o pai do Marcelo falou:
- Não fique triste, meu filho. A gente faz uma moradeira nova pro Latildo.
E a mãe do Marcelo disse:
É sim! Toda branquinha, com a entradeira na frente e um cobridor bem vermelhinho...
E agora, naquela família, todo mundo se entende muito bem.
O pai e a mãe do Marcelo não aprenderam a falar como ele, mas fazem força pra entender o que ele fala.
E nem estão se incomodando com o que as visitas pensam...

ROCHA, Ruth. Marcelo, marmelo, martelo e outras histórias. Rio de

Janeiro: Salamandra consultoria Editorial S.A,


Perguntas:

Você muitas vezes acha estranho o significado de algumas palavras?

Assim como Marcelo você já se perguntou o motivo porque chamamos cadeira de cadeira e não de maçã, por exemplo?

Precisamos dar nome às coisas?

O importante é o sentimento, mas precisamos das palavras para nos comunicar com as pessoas.

Você acha que no colégio Marcelo vai ter dificuldades de se comunicar?

Você acha que Marcelo está errado quando fala as palavras como ele sente?
 – não, não está errado, mas esperar a resposta.


Atividades:


Levar as perguntas recortadas em tirinhas dentro de um potinho.

Dividir as crianças em grupos.

Sortear as tirinhas entre os grupos que irão conversar sobre as perguntas com o auxílio do educador que deverá passar em todos os grupos, detendo-se mais tempo nas crianças que apresentarem mais dificuldades.
Após, o líder de cada grupo apresenta aos demais as conclusões do grupo, que serão discutidas com todos com o auxílio do educador.


Vamos brincar de rimar?

 MARCELO, MARMELO, MARTELO.

Uva, viúva, saúva...

Pedir que as crianças inventem rimas sem se preocupar com o significado das palavras. Você estará incentivando a criação livre.
Após as rimas, pedir que façam um desenho tentando dar um sentido ao que foi escrito, por exemplo, uma viúva comendo a uva, e uma saúva passando no chão.
Mostrar que assim é que aprendemos a nos comunicar sem perder a imaginação e a alegria.

Comentários

Declaração Universal dos Direitos da Criança.

Declaração Universal dos Direitos da Criança.
CLIQUE NA IMAGEM PARA LER.

Assista a animação da música Aquarela, de Toquinho.

Assista a animação da música Aquarela, de Toquinho.
CLIQUE NA IMAGEM PARA ASSISTIR.

ECOLOGIA PARA CRIANÇAS.

ECOLOGIA PARA CRIANÇAS.
CLIQUE NA IMAGEM PARA LER

LIVROS INFANTIS ILUSTRADOS ONLINE.

LIVROS INFANTIS ILUSTRADOS ONLINE.
CLIQUE NA IMAGEM PARA LER

Mozart para bebês.

Preservando a natureza.