Importante para sua boa navegação pelo blog.

Importante para sua boa navegação pelo blog.

A lenda de Obiricí, Uma lenda da cidade de Porto Alegre.


Monumento à Índia Obirici.

(Fonte: IMAGENS DE 20/01/2002, do site WCAMS)

Antigamente, o território onde foi erguida Porto Alegre era ocupado por duas tribos indígenas: Tapiaçu, que ocupava o cume do Morro Santa Tereza; e Tapimirim, que  se situava às margens do atual rio Gravataí.
Conta a lenda que Obirici, a filha predileta do cacique dos Tapimirim, teria se apaixonado e morrido de amor por Upatã, filho mais velho do cacique da tribo Tapiaçu. Todavia, outra índia também se apaixonara pelo guerreiro. A sorte foi então decidida numa competição de arco e flecha, cuja vencedora desposaria Upatã. Muito nervosa, Obirici teria errado o alvo e, em decorrência, perdido sua grande paixão. Teria saído, então, a caminhar por uma grande planície arenosa, onde hoje se situa o bairro Passo da Areia. Cansada, teria se sentado embaixo de uma figueira e ali ficado chorando. Em meio a preces e lágrimas, teria pedido com os braços erguidos ao céu que o deus Tupã viesse buscá-la.  
Teria morrido, assim, de amores por Upatã. Das lágrimas, teria se formado um pequeno riacho, que corria sobre a areia, entre colinas e vales, árvores e plantas. Por isso, as mulheres indígenas que perdiam seus maridos em batalhas buscavam consolo nas "lágrimas de Obirici".
A lenda, registrada pelo escritor José Antônio do Vale Caldre e Fião, era recitada por um velho índio guarani, chamado Vicente, que teria fugido de um dos Sete Povos das Missões, logo após o final da Guerra Guaranítica, ocorrido em 1756.  Em Porto Alegre, que recém estava recebendo seus primeiros habitantes, teria se instalado na área em que atualmente fica o Viaduto Loureiro da Silva.
O riacho foi canalizado e o barulho de suas águas pode ser ouvido embaixo do asfalto. Alí há uma elevada com o nome de Obirici e uma bela estátua que encanta os passantes por sua tristeza.
A estátua em homenagem à índia Obirici foi inaugurada em 13/03/1975, quando o prefeito da época, Telmo Thompson Flores, inaugurou o viaduto no cruzamento das avenidas Plinio Brasil Milano e Brasiliano Índio de Moraes. A escultura foi modelada pelo artista Mário Arjonas e projetada por Nelson Boeira Fairich. (fonte: revista Viva no Sul, Ano 3, Novembro de 2000, p. 10-11)
Da mesma forma como a história de Obirici, a história dos povos indígenas é, invariavelmente, muito triste.
Fonte: http://www.terragaucha.com.br/obirici.htm

Comentários

Bell disse…
Adoro lendas

bjokas =)
Alexandre Braz disse…
Como pode existir quase a mesma lenda da índia Obirici do rio Mogi Guaçu que nasce em chão Mineiros e rasgando até chãos Paulistas numa extensão de 473 km.
E baseado nessa lenda e td meu apreço pelo o rio, estou lançando um cd com músicas inéditas que falam de sua lenda e conscientização com um forte teor ecológico. E agora?
Ver no grupo do face Homenagem ao rio Mogi Guaçu. Alexandre Braz. Araras SP

Postagens mais visitadas deste blog

João e o pé de feijão. Historinha infantil com moral da história, dinâmicas e atividades.

A festa no céu. Narrativas diferentes da mesma história.

A PRIMAVERA DA LAGARTA - Ruth Rocha.