Alice no País das Maravilhas.Capítulo 8 - O jogo de críquete no campo da rainha.

Capítulo 8
O jogo de críquete no campo da rainha.

Uma grande roseira imperava na entrada do jardim: as rosas que nela cresciam eram brancas, mas havia três jardineiros que se ocupavam em pintá-las de vermelho. Alice achou que aquilo era uma coisa estranha e aproximou-se para ver melhor. Justamente na hora que chegou perto deles, ouviu um dos jardineiros dizer:
“Cuidado, Cinco! Não jogue tinta em mim!”
 “Eu não tive culpa”, disse o Cinco em um tom aborrecido. “O Sete empurrou meu cotovelo.”
Nisso o Sete olhou para cima e retrucou:
“Muito bem, Cinco! Sempre colocando a culpa nos outros!”
“É melhor você não falar nada!”, disse o Cinco. “Ontem mesmo eu ouvi a Rainha dizer que você merecia ser decapitado!”
“Por quê?”, disse aquele que tinha falado primeiro.
“Não é de sua conta, Dois!”, disse o Sete.
“É sim, é da conta dele!”, disse o Cinco. “E eu vou dizer pra ele... é porque você levou raízes de tulipa ao invés de cebolas para a cozinheira.”
O Sete jogou o pincel fora, e estava começando a falar “Bem, de todas as injustiças...”, quando seus olhos caíram sobre Alice, que os estava observando. Ele calou-se subitamente: os outros olharam ao redor e todos curvaram-se em respeitosa reverência.
“Vocês poderiam dizer-me, por favor”, disse Alice, um pouco timidamente, “por que estão pintando estas rosas?”
O Cinco e o Sete não disseram nada, mas olharam para o Dois. O Dois começou, em um tom baixo:
“Porque, de fato, você vê, Senhorita, esta deveria ser uma roseira vermelha, e nós plantamos uma roseira branca por engano, e, se a Rainha descobrir, nós todos seremos decapitados, sabe. Portanto, você vê, Senhorita, estamos fazendo o melhor possível, antes que ela chegue para...”
Neste exato momento, o Cinco, que estivera todo o tempo olhando ansiosamente para o jardim, gritou: “A Rainha! A Rainha!” E os três jardineiros atiraram-se instantaneamente de bruços no chão. Havia o som de muitas passadas, e Alice olhava ao redor, doida para ver a Rainha.
Em primeiro lugar chegaram dez soldados carregando clavas: eles eram todos da mesma forma que os jardineiros, retangulares e achatados, com as mãos e os pés saindo dos quatro cantos; depois vinham dez cortesãos, que eram ornamentados com diamantes e caminhavam de dois em dois, como os soldados. Depois desses vinham as crianças reais, dez delas, e as gracinhas iam saltitando alegremente de mãos dadas, em duplas também. A seguir vinham os convidados, a maior parte de Reis e Rainhas, e entre estes Alice reconheceu o Coelho Branco, falando apressadamente de um jeito nervoso, sorrindo para tudo o que era dito. Ele seguiu sem reconhecer Alice. Finalmente vinha o Valete de Copas, que carregava a coroa do Rei sobre uma almofada de veludo escarlate, antecipando o final do grande cortejo, que trazia O REI E A RAINHA DE COPAS.
Alice estava em dúvida se deveria ou não atirar-se ao chão de bruços como os três jardineiros, mas não conseguia se lembrar se já tinha ouvido falar sobre tal regra em cortejos, “e além disso, qual seria a utilidade de um cortejo”, pensou, “se as pessoas ficam de bruços e não podem vê-lo?” Então ela ficou como estava e esperou.
Quando o cortejo passou por Alice, todos pararam e olharam para ela. A Rainha disse, severamente: “Quem é isso?”, dirigindo-se ao Valete de Copas, que apenas curvou-se e sorriu em resposta.
“Idiota!”, disse a Rainha, balançando a cabeça impacientemente, e, dirigindo-se para Alice, prosseguiu: “Qual é o seu nome, criança?”
“Meu nome é Alice, às suas ordens Majestade”, disse Alice bem educadamente, mas acrescentou, para si mesma, “Oras, afinal de contas eles não passam de um baralho de cartas. Eu não preciso ter medo deles!”
“E quem são esses?”, perguntou a Rainha, apontando para os três jardineiros que estavam ainda estendidos ao lado da roseira. Isso porque, vocês sabem, como eles estavam de bruços e a parte de trás do baralho era igual a todo o resto do baralho, ela não poderia dizer se eles eram jardineiros, ou soldados, ou cortesãos ou três das crianças reais.
“Como é que eu poderia saber?”, disse Alice surpreendida por sua coragem. “Não é da minha conta.”
 A Rainha ficou vermelha de raiva e depois de encará-la por um momento como uma fera selvagem, começou a gritar: “Cortem-lhe a cabeça! Cortem-lhe...”
“Besteira!”, retrucou Alice, em tom alto e decidido, e a Rainha calou-se.
O Rei pousou sua mão sobre o braço da esposa e disse timidamente:
“Deixe pra lá, minha querida: ela é apenas uma criança!”
A Rainha afastou-se dele com raiva e disse para o Valete:
“Vire-os!”
O Valete os virou, muito delicadamente, com um pé.
“Levantem-se!”, disse a Rainha com uma voz estridente e alta, e os três jardineiros instantaneamente saltaram e começaram a fazer reverências para o Rei, a Rainha, as crianças reais e todo o resto do pessoal.
“Parem com isso”, gritou a Rainha. “Vocês me deixam tonta.” Então, virando-se para a roseira, ela continuou falando: “O que vocês estavam fazendo aqui?”
“Para servir à Sua Majestade”, disse o Dois, humildemente, ficando sobre um joelho enquanto falava, “nós estávamos tentando...”
“Eu entendo!”, disse a Rainha, enquanto examinava as rosas. “Cortem-lhe as cabeças!” e o cortejo prosseguiu, com três dos soldados ficando para trás para executar os desafortunados jardineiros, que correram na direção de Alice em busca de proteção.
“Vocês não serão decapitados!”, disse Alice, colocando-os dentro de um grande jarro de flores que estava por perto. Os três soldados ficaram confusos por um minuto ou dois, procurando por eles e então voltaram para o final do cortejo.
“As cabeças já foram cortadas?”, berrou a Rainha.
“Suas cabeças se foram, para servi-la, Majestade!”, os soldados gritaram em resposta.
“Muito bem!”, gritou a Rainha. “Você sabe jogar críquete?”
Os soldados permaneceram em silêncio e olharam para Alice, pois a pergunta era evidentemente dirigida a ela.
“Sim!”, gritou Alice.
“Então venha”, rugiu a Rainha e Alice juntou-se ao cortejo, doida para saber o que aconteceria a seguir.
“É um...é um belo dia!” disse uma vozinha tímida ao seu lado. Ela estava caminhando bem ao lado do Coelho Branco, que ficava olhando o tempo todo para ela.
“Muito”, disse Alice. “Onde está a Duquesa?”


“Psiu!Psiu!”, disse o Coelho em voz baixa, assustado. Ele olhava ansiosamente por sobre os ombros enquanto falava e então ergueu-se na ponta das patinhas, colocando a boca bem perto dos ouvidos de Alice e cochichou: “Ela foi condenada.”
“A que pena?” perguntou Alice.
“Você disse ‘Que pena!’?”, o Coelho perguntou.
“Não, eu não disse”, retrucou Alice. “Não acho que seja uma pena. Eu disse ‘A que pena?’!”
“Ela deu um murro nos ouvidos da Rainha...”, o Coelho começou a contar. Alice disparou a rir. “Oh, psiu!”, o Coelho murmurou em um tom assustado. “A Rainha irá ouvi-la! Mas você entende, a Duquesa chegou muito tarde e a Rainha falou...”
“Tomem seus lugares!”, gritou a Rainha em uma voz de trovão, e as pessoas começaram a correr em todas as direções, batendo umas nas outras. Entretanto, em um minuto ou dois estavam todos em seus lugares e o jogo começou.
Alice pensou que ela nunca em sua vida vira um campo de críquete tão curioso: ele era todo cheio de saliências e sulcos, as bolas de críquete eram ouriços vivos e os tacos eram flamingos também vivos. Os soldados curvavam-se e colocavam as mãos no chão para fazer os arcos do jogo.
 A principal dificuldade que Alice encontrou no início foi como segurar seu flamingo: ela poderia manter o corpo dele sob seu braço com razoável conforto, com as pernas da ave penduradas. Mas, geralmente quando conseguia esticar o pescoço do flamingo e ia fazê-lo chutar o ouriço com a cabeça, ele virava-se e olhava para Alice com uma expressão tão confusa que ela não conseguia parar de rir. Depois, quando desvirava a cabeça dele e se preparava para começar tudo de novo, era irritante perceber que o ouriço tinha se desenroscado e fugia. Além disso, sempre havia uma saliência ou sulco no caminho em que ela queria mandar o ouriço e os soldados-arcos estavam sempre se levantando e mudando de lugar. Alice logo chegou à conclusão que aquele era realmente um jogo muito difícil.
Os jogadores jogavam todos ao mesmo tempo, sem esperar sua vez, discutindo o tempo todo, brigando pelos ouriços; logo a Rainha estava furiosa e batia com os pés no chão, gritando: “Cortem a cabeça dele!”, ou “Cortem a cabeça dela!” o tempo todo.
Alice começou a sentir-se muito mal: para dizer a verdade, ela ainda não tinha discutido nenhuma vez com a Rainha no jogo mas sabia que poderia acontecer a qualquer minuto, “e então”, ela pensou, “o que irá acontecer comigo? Eles são loucos para cortar as cabeças por aqui. A grande dúvida é como ainda existe alguém vivo!”
Ela estava procurando alguma maneira de escapar, imaginando se daria para fugir sem ser vista quando percebeu uma curiosa aparição no ar: aquilo a confundiu muito no início, mas depois de olhar por um minuto ou dois percebeu que era um sorriso e ela disse para si mesma: “É o Gato de Cheshire: agora eu tenho alguém com quem falar.”
“Como você está se saindo?”, perguntou o Gato, tão logo ele teve boca o suficiente para falar.
Alice esperou até que seus olhos surgissem e então cumprimentou-o com a cabeça.
“Não adianta falar com ele”, ela pensou, “até que suas orelhas apareçam, ao menos uma delas.” Em um minuto toda a cabeça apareceu e então Alice colocou seu flamingo no chão e começou a comentar o jogo, sentindo-se muito feliz por ter alguém para ouvi-la. 

O Gato parecia achar que já havia parte suficiente sua aparente e nada mais surgiu.
“Eu não acho que eles joguem de maneira muito certa”, Alice começou em um tom de queixa, “e discutem de um jeito tão maluco que você não consegue ouvir ninguém falar...e parece que eles não têm nenhuma regra. Finalmente, se têm, ninguém parece respeitar...você não faz ideia de como é confuso jogar com todas essas coisas vivas. Por exemplo, o arco sob o qual deveria passar minha bola mudou-se para o outro lado do campo...e quando eu deveria atingir o ouriço da Rainha agora há pouco, ele saiu correndo ao ver o meu se aproximando!”

“O que é que você acha da Rainha?”, perguntou o Gato em uma voz baixa.
“Nada em especial”, respondeu Alice, “ela é tão extremamente...” Exatamente neste instante ela percebeu que a Rainha estava bem ao seu lado, ouvindo, “...boa nesse jogo que vai ser muito difícil chegar ao final da partida.”
A Rainha sorriu e seguiu em frente.
“Com quem você está falando?”, perguntou o Rei, vindo em direção de Alice e olhando para a cabeça do Gato com muita curiosidade.
“É um amigo meu...o Gato de Cheshire”, respondeu Alice. “Deixe-me apresentá-lo.”
“Eu não gosto do jeito dele”, disse o Rei. “Entretanto ele pode beijar minha mão, se quiser.”
“Eu prefiro não beijar”, o Gato retrucou.
“Não seja impertinente”, disse o Rei, “e não me olhe dessa maneira!”, escondendo-se atrás de Alice enquanto falava.
“Um gato pode olhar para um rei”, disse Alice. “Eu já li isso em algum livro, mas não me recordo qual.”
“Bem, ele tem que retirar-se daí”, disse o Rei decidido, e chamou a Rainha, que passava por ali naquele momento: “Minha querida! Eu gostaria que você mandasse retirar esse gato daqui!”
A Rainha só tinha uma maneira de remover todas as dificuldades, grandes ou pequenas. “Cortem-lhe a cabeça!”, ela ordenou sem nem mesmo olhar para os lados.
“Eu mesmo vou buscar o carrasco”, disse o Rei impacientemente e apressou-se.
Alice pensou que seria melhor voltar e ver como andava a partida, quando ouviu ao longe a voz da Rainha gritando enlouquecidamente. Ela já ouvira por três vezes a sentença de execução para jogadores que tinham perdido sua vez e não estava gostando nada disso, pois com o jogo confuso como estava ela nunca sabia se era sua vez ou não de jogar. Daí, ela saiu procurando seu ouriço.
O ouriço estava engalfinhado com outro ouriço, o que pareceu para Alice uma excelente oportunidade para atirar um contra o outro: a única dificuldade foi que o seu flamingo tinha corrido para o outro canto do campo, onde Alice podia vê-lo tentando, sem grandes resultados, levantar voo até uma árvore.
Quando finalmente ela conseguiu apanhar o flamingo e trazê-lo novamente de volta, a luta entre os ouriços tinha terminado e os dois animais tinham sumido: “Mas isso não importa”, Alice pensou, “pois todos os arcos se foram desse lado do campo.” Então ela novamente colocou o flamingo debaixo do braço para que ele não escapasse novamente, e voltou para conversar um pouquinho mais com seu amigo.
Quando ela voltou para onde estava o Gato de Cheshire, surpreendeu-se com uma multidão ao seu redor: havia uma discussão entre o carrasco, o Rei e a Rainha, todos falando ao mesmo tempo, enquanto o resto permanecia em silêncio, parecendo bastante constrangidos.
No momento em que Alice apareceu, foi chamada pelos três para decidir a questão. Eles repetiram seus argumentos, mas, como todos falavam ao mesmo tempo, ela achou muito difícil entender exatamente o que diziam.
O carrasco argumentava que não se pode cortar uma cabeça ao menos que ela não esteja presa a um corpo. Que ele nunca fizera uma coisa dessas na vida e não seria desta vez que ele começaria.
O Rei argumentava que qualquer coisa que tivesse cabeça poderia ser decapitada, e que aquela conversa era besteira.
A Rainha argumentava que, se alguma coisa não fosse feita rapidamente, ela iria mandar executar todo mundo em volta. (Esta última observação é que deixara o grupo com aquele tom sério e ansioso.)
Alice não encontrou nada melhor para dizer que “Ele pertence à Duquesa: seria melhor perguntar para ela sobre isso.”
“Ela está na prisão”, a Rainha disse ao carrasco. “Vá buscá-la.” E o carrasco saiu disparado como uma flecha.

A cabeça do Gato começou a desaparecer bem no momento em que ele se foi e na hora que o carrasco voltou com a Duquesa já tinha sumido totalmente. O Rei e o carrasco começaram a procurá-lo desesperadamente por todo lado, enquanto o restante do grupo voltou ao jogo.


Parte da resenha do livro:

A própria majestade da rainha ser derivada de um baralho de cartas já reflete uma parte do mundo adulto: a vida é como um jogo, onde se conta com a sorte, se blefa, se mente, se tenta esconder direitos e abusa dos deveres. O rei, os baralhos Dois, Cinco e Sete, o júri e mesmo os flamingos e os porcos-espinhos usados como ferramentas do jogo de croquet são derivados destas metáforas do mundo real.

Se a postura dos adultos é contestada por Alice, o que dizer de seus costumes alienantes? O chá das cinco é uma tradição inglesa secular, e ainda hoje é cultuada no país. Mas durante o reinado da Rainha Vitória, o costume era ainda mais rígido, iniciado religiosamente as cinco da tarde. O Chapeleiro Maluco e o a Lebre de Março são uma dura crítica ao costume.

Comentários

Declaração Universal dos Direitos da Criança.

Declaração Universal dos Direitos da Criança.
CLIQUE NA IMAGEM PARA LER.

Assista a animação da música Aquarela, de Toquinho.

Assista a animação da música Aquarela, de Toquinho.
CLIQUE NA IMAGEM PARA ASSISTIR.

ECOLOGIA PARA CRIANÇAS.

ECOLOGIA PARA CRIANÇAS.
CLIQUE NA IMAGEM PARA LER

LIVROS INFANTIS ILUSTRADOS ONLINE.

LIVROS INFANTIS ILUSTRADOS ONLINE.
CLIQUE NA IMAGEM PARA LER

Mozart para bebês.

Preservando a natureza.