Importante para sua boa navegação pelo blog.

Importante para sua boa navegação pelo blog.

A Abóbora Menina.

Fonte da imagem:
http://www.publicdomainpictures.net/view-image.php?image=9674&picture=decoracao-colheita-halloween

Para a Inês, que também um dia voará.

Brotara do solo fecundo de um quintal enorme, de uma semente
que mestre Crisolindo comprara na venda. Despontava por entre uns pés de couve e mais algumas abóboras, umas suas irmãs, outras suas parentes mais afastadas.
Tratada com o devido esmero, adubada à maneira, depressa cresceu e se tornou em bela moçoila, roliça e corada.
Os dias corriam serenos. Enquanto o sol brilhava, tudo era calma
naquele quintal. Sombra dos pés de couve, rega a horas devidas, nada parecia faltar para que todos fossem felizes.
As suas conversas eram banais: falavam do tempo, de mestre
Crisolindo e nunca, mas nunca, do futuro que os aguardava.
Mas Abóbora Menina, em vez de se dar por satisfeita com a vida
que lhe havia sido reservada, vivia entristecida e os seus dias e as suas noites eram passados a suspirar.
Desde muito cedo que a sua atenção se virara para as borboletas de cores mil que bailavam sobre o quintal. E sempre que alguma pousava perto de si, a conversa não era outra se não esta:
―Dizei-me, menina borboleta, como fazeis para voar?
―Ora, menina abóbora, que quereis que vos diga? Primeiro fui ovo quase invisível, depois fui crisálida e depois, olhe, depois alguém me pôs estas asas e assim voei.
―Como eu queria ser como vós e poder sair daqui, ver outros
quintais.
―Que me conste, vós fostes semente e vosso berço jaz debaixo desta terra negra e quente. Nunca por aí andámos, minhas irmãs e eu.
A borboleta levantava voo e Abóbora Menina suspirava. E suspirava. E de nada serviam os consolos de suas irmãs, nem o consolo dos pés de couve, nem o consolo dos pés de alface que cresciam ali perto e que todas as conversas ouviam.
Certo dia passou por aqueles lados uma borboleta mais viajada e foi pousar mesmo em cima da abóbora. De novo a mesma conversa, os mesmos suspiros.
Tanta pena causou a abóbora à borboleta, que esta acabou por lhe confessar:
―Já que tamanho é vosso desejo de voar e dado que asas nunca podereis vir a ter, só vos resta uma solução: deixai-vos levar pelo vento sul, que não tarda nada aí estará.
―Mas como? Não vedes que sou roliça? Não vedes que tenho
engordado desde que deixei de ser semente?
E a borboleta explicou à Abóbora Menina o que ela devia fazer.
A única solução seria cortar com o forte laço que a ligava àquela
terra-mãe e deixar-se levar pelo vento.
Ele não tardaria, pois umas nuvens suas conhecidas assim lhe haviam garantido. Mais adiantou a borboleta que daria uma palavrinha ao tal vento, por sinal seu amigo e aconselhou todos os outros habitantes do quintal a segurarem-se bem quando ele chegasse.
Ninguém gostou da ideia à exceção da nossa menina.
―Vamos perder-te! ― lamentavam-se as irmãs.
―Nunca mais te veremos. ― sussurravam os pés de alface.
―Acabarás por mirrar se te desprendes do solo que te deu sustento.
Mas a abóbora nada mais queria ouvir. E logo nessa noite, quando todos dormiam, Abóbora Menina tanto se rebolou no chão, tantos esticões deu ao cordão que lhe dera vida, que acabou por se soltar e assim permaneceu, liberta, aguardando o vento sul com todos os sonhos que uma abóbora ainda menina pode ter na sua cabeça.
Não esperou muito, a Abóbora Menina. Dois dias passados, logo
pela manhãzinha, o vento chegou. E com tal força, que a todos
surpreendeu.
Mestre Crisolindo pegou na enxada e resguardou-se em casa. As
flores e as hortaliças, já prevenidas, agarraram-se ainda mais à terra.
Só a abóbora se alegrou e, peito rosado aberto à tempestade,
aguardou paciente a sorte que a esperava.
Quando um remoinho de vento pegou nela e a ergueu nos ares,
qual balão liberto das mãos de um menino, não sentiu nem medo, nem pena de partir.
―Adeus, minhas irmãs!... Adeus, meus companheiros!...
―Até... um... dia!...
E voou direitinha ao céu sem fim!...
Para onde seguiu? Ninguém sabe.
Onde foi parar? Ninguém imagina.
Mas todos sabem, naquele quintal, que dali partiu, numa bela tarde de vento, a abóbora menina mais feliz que algum dia poderá haver.

Livro: Histórias Que Acabam Aqui - Teresa Lopes.


Comentários e perguntas sobre a história:


Quantas vezes vivemos presos aos hábitos adquiridos sem questionamentos se poderíamos mudar.
Ninguém pode viver sem pensar em outras formas de viver e conviver, sem perseguir seus sonhos.
Os personagens da historia tinham conversas banais, apenas avaliavam seu cotidiano.
Você tem o hábito de agir assim?
Você não tem curiosidade de imaginar um futuro melhor para você e para a humanidade?
Você acha que vale a pena viver preso à terra sem conhecer outros lugares, sem poder voar?
O voo na historinha tem o significado da tua libertação de tudo o que você faz no automático, sem pensar, apenas porque sempre foi assim e alguém lhe disse que sempre será assim, que tentar mudar pode ser perigoso.
Você acha que pode ser perigoso?
Você tem um sonho? Quer dizer qual o teu sonho?
Acha que vale a pena lutar por ele?

Dinâmica:

Reunir a turma em dois grupos.
Dar um tempo para que conversem sobre seus sonhos e desejos.
Depois o líder de cada grupo com a concordância dos demais, vai escolher um dos sonhos manifestados, e todos darão ideias de como realizar.
Ao término do trabalho, o líder vai expor ao outro grupo o que debateram e as conclusões que chegaram.

Comentários

Cristina Cebola disse…
Um blogue muito interessante, cujas postagens, servem a todas as idades.
Parabéns por este espaço de lazer e aprendisagem...

Beijinho meu

Postagens mais visitadas deste blog

João e o pé de feijão. Historinha infantil com moral da história, dinâmicas e atividades.

A festa no céu. Narrativas diferentes da mesma história.

A PRIMAVERA DA LAGARTA - Ruth Rocha.