O MIUDINHO.

Fonte da imagem:http://www.publicdomainpictures.net/view-image.php?image=189406&picture=principe-e-princesa

Em companhia de vários fidalgos, d. Bias, poderoso príncipe, herdeiro do importante reino de Avalão, foi uma vez à caça embrenhando-se numa imensa e intrincada floresta, que havia às portas da cidade. Não conhecendo o caminho, sua alteza, tendo se afastado de sua comitiva, perdeu-se no mato, e não houve meio de poder dali sair.
Depois de andar léguas e léguas, chegou extenuado, a uma caverna aberta numa grande montanha. Residia aí uma família de gigantes, composta de pai, mãe e filha.
O gigante, que se chamava Ragarrão, estava fazendo lenha para o jantar.
Arrancava facilmente com uma só mão, velhas árvores, que nem vinte juntas de bois poderiam sequer balançar.
Ragarrão, avistando o príncipe, que lhe pareceu um anãozinho, comparado com ele, por não lhe chegar nem até os joelhos, exclamou:
– Oh! Que homem tão miudinho! Que queres aqui, anão?
O príncipe contou-lhe a sua história; e Ragarrão disse:
– Bem, visto isso, ficarás aqui, como meu criado. E ficou chamando d. Bias de Miudinho.
Passado algum tempo, a filha do gigante, Clandira, apaixonou-se por d. Bias, e d. Bias por ela.
Ragarrão, desconfiando da coisa, chamou o príncipe, e disse-lhe:
– Contaram-me que tu te gabavas de ser capaz de edificar, em uma só noite, um palácio para mim e minha filha. Se tal não fizeres, amanhã, pela manhã, matar-te-ei.
O príncipe ficou desesperado; e chorava amargamente quando apareceu Clandira que lhe falou:
– Não te desesperes, meu querido príncipe. Amanhã, pela manhã, o palácio estará feito.
Assim foi, porque Clandira era encantada.
Quando Ragarrão viu aquela obra, não pôs dúvida que houvesse sido feita pela filha, e disse à mulher:
– Amanhã matarei Miudinho, antes que ele queira casar com minha filha.
Clandira ouviu a conversa. Foi ao quarto de Miudinho, fê-lo levantar-se; e, roubando da estrebaria um cavalo, que, de cada passada, caminhava sete léguas, fugiu com ele.
Pela manhã, Ragarrão, dando por falta de Miudinho e da filha, calçou as botas de sete léguas que haviam pertencido ao célebre Pequeno Polegar, e saiu atrás dos fugitivos.
Quando os ia alcançando, Clandira transformou-se num regato; Miudinho, num preto velho; o cavalo, numa árvore; o selim em laranjas, e a espingarda que levavam, num beija-flor.
Ragarrão, chegando perto, perguntou ao negro:
– Você viu passar aqui um moço e uma moça, montados a cavalo?
O africano riu-se estupidamente, e fez um gesto, dando a entender que era surdo.
Ao mesmo tempo o beija-flor voou em direção ao gigante, e quis furar-lhe os olhos.
Ragarrão, aborrecido, voltou para casa, e narrou à mulher o que lhe havia sucedido.
– Ó palerma! Bradou ela. Pois não sabes que o negro era Miudinho; o regato, nossa filha; a árvore e as laranjas, o cavalo e o selim; e o beija-flor, a espingarda. Volta de novo, e agarra-os.
Nesse entretanto, os fugitivos desencantaram-se, e partiram a todo galope.
Ragarrão, porém, saiu-lhes outra vez ao encalço; e ia encontrá-los, quando se transformaram – a moça, numa igreja; Miudinho, em padre; o cavalo e o selim, no sino e no badalo; e a espingarda no missal.
O gigante entrou na igreja, e interrogou o cura:
– Vossa Reverendíssima não viu passar por aqui um moço e uma moça montados a cavalo?
O padre, que estava dizendo missa, não respondeu e começou a rezar.
Ao cabo de muito tempo, Ragarrão, aborreceu-se, e retrocedeu.
– Oh tolo! Disse a mulher, quando ouviu o que de novo lhe sucedera. Volta para trás. O padre é Miudinho; a igreja, Clandira; o sino e o badalo, o cavalo; e o missal, a espingarda.
O gigante voltou furioso, fazendo vinte léguas por segundo. Avistou finalmente os fugitivos; mas, quando ia pegá-los, Clandira atirou para trás um punhado de cinza.
Formou-se uma neblina muito densa, que Ragarrão não pôde atravessar.
Voltou para casa, e desistiu da ideia de agarrá-los.

O príncipe d. Bias chegou, então ao seu reino, e casou-se com Clandira, que se desencantou, deixando de ser da raça dos gigantes, para vir a ser uma moça lindíssima.

HISTÓRIAS DA AVOZINHA -  Domínio Público
Figueiredo Pimentel

Comentários

Declaração Universal dos Direitos da Criança.

Declaração Universal dos Direitos da Criança.
CLIQUE NA IMAGEM PARA LER.

Assista a animação da música Aquarela, de Toquinho.

Assista a animação da música Aquarela, de Toquinho.
CLIQUE NA IMAGEM PARA ASSISTIR.

ECOLOGIA PARA CRIANÇAS.

ECOLOGIA PARA CRIANÇAS.
CLIQUE NA IMAGEM PARA LER

LIVROS INFANTIS ILUSTRADOS ONLINE.

LIVROS INFANTIS ILUSTRADOS ONLINE.
CLIQUE NA IMAGEM PARA LER

Mozart para bebês.

Preservando a natureza.